Os chakras e as emoções


Por André Oliveira, professor de yoga e meditação


Eu já vinha pesquisando sobre os chakras fazia alguns anos. Naquela época havia poucos livros sobre o assunto, em 2006 surgiu a oportunidade de participar de um retiro nas montanhas sobre este tema. O retiro tinha uma semana de duração, na programação tinha aula das 6h30min da manhã até as 21h! Nada de descanso! Era um curso de formação em chakraterapia, juntei forças e fui.

Ao longo daquela semana, através da prática constante das técnicas do yoga, tais como posturas, respiratórios, muita meditação, foi possível sentir os chakras em meu próprio corpo. Não vi nenhuma luz nem nada do tipo, mas senti o corpo vivo e a vida fluindo pelo corpo, havia um pulso, percebia meu corpo muito consciente e leve, e não havia nenhuma dor ou desconforto, todo organismo em harmonia.

Descobri que qualquer pessoa pode sentir os centros energéticos. Não é exclusividade dos médiuns, os chakras podem ser percebidos por qualquer pessoa sensível e atenta ao seu corpo. Não é preciso ver luzes e formas brilhantes para sentir e conhecer mais sobre eles.

Ao estudar sobre os chakras descobri muitas coisas. Primeiro é importante entender que eles estão dentro de um sistema maior, o sistema dos 5 Koshas ou 5 corpos: físico, energético, psicoemocional, mental e espiritual. Dentro deste sistema, fazem uma ponte entre a dimensão física e a dimensão psicoemocional.

Segundo essa visão, os chakras são a ligação entre o corpo físico e o corpo psicoemocional. Ou seja, neles ocorre uma espécie de comunicação entre as nossas emoções e o corpo físico. São o “elo perdido” há muito procurado pelos psicólogos.

Cada centro energético está relacionado a uma parte do corpo e uma emoção muito específica. A palavra chakra significa literalmente círculo, roda ou centro e indica uma região do corpo de grande importância.

São sete chakras localizados ao longo da coluna vertebral. Cada um está relacionado a um diferente plexo nervoso e glândula endócrina, estando vinculado a um conjunto de aspectos psicoemocionais:

1º Chakra – plexo sacral – suprarrenais – Sobrevivência, segurança, responsabilidade. 2º Chakra – plexo esplênico – gônadas – Sexualidade, sensibilidade, adaptabilidade. 3º Chakra – plexo solar – pâncreas – Poder pessoal, determinação, coragem. 4º Chakra – plexo cardíaco – timo – Amor incondicional, compaixão, perdão. 5º Chakra – plexo laríngeo – tireoides – Liberdade de comunicação, liberdade de expressão, criatividade. 6º Chakra – plexo frontal – pituitária – Autoconhecimento, discernimento, compreensão. 7º Chakra – plexo coronário – pineal – Espiritualidade, conexão com o sagrado, plenitude.

Na visão da chakraterapia entende-se que o corpo fica doente porque há um bloqueio nos centros energéticos e este bloqueio provém de um desequilíbrio psicoemocional. Em outras palavras, um conflito emocional não resolvido pode ocasionar um desequilíbrio ou doença no corpo físico.

Sabendo disso, ao detectar uma doença podemos utilizar os chakras para mapear o sintoma e identificar a origem emocional desse desequilíbrio. Podemos tratar então a causa e não meramente o sintoma da doença, promovendo assim em nosso organismo uma saúde integral e holística.

Desde 2006 venho realizando atendimentos individuais e em grupo de chakraterapia. Nestes cursos ensino meus pacientes a utilizar os chakras para mapear as tensões, dores e doenças em seu próprio corpo, dessa forma os alunos aprendem a ficar diante de suas emoções verdadeiras e assumem a capacidade para transformá-las por si mesmo.

* O professor André Oliveira é coordenador do Yogazen desde 2004, já formou mais de 30 professores de meditação e auxiliou na formação de mais de 100 professores de yoga.


Destaques
Posts recentes